segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

[TEXTO] Sobre consciência/vozeszinhas

Jurei umas dez mil vezes me esforçar pra não repetir os mesmos erros e cá estou eu refletindo sobre essa minha mania de não falar o que me dá na cabeça.
Recentemente, movida por minha auto crítica resolvi desabafar palavras guardadas - mas quem disse que enviei? De certa forma, houve um alívio, mas aquela vozinha chata fica me lembrando todo dia que eu só vou me livrar quando contar. O problema é que a vozinha não entende que eu tô com preguiça, e que dizer gera perguntas que eu não tenho ânimo pra responder.
A vozinha quer tanto agitar a minha vida que me fez dizer algumas coisas sem nem pensar. O que, adivinha, gerou perguntas, discussões etc etc etc. Tudo pra tirar o meu sossego. Mas até que eu gostei, porque me fez sorrir um pouquinho - e tô esperando o meu muitão.
Às vezes eu me pergunto o que a Tati ia pensar da minha evolução de textos, e se ela poderia me ajudar a saber o que faço, já que agora ela é quase uma mulher resolvida. E se ela diria essas coisas trancadas a sete chaves.
Bom, vozinha, tô esperando meu muitão e minhas respostas, já que você só ta ajudando a atrapalhar. Por favor, não me venha de conversa fiada se não for importante porque to cansada de perder tempo e esteja bem resolvida pra me convencer.

(Jenifer Alana Santos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário