sábado, 14 de novembro de 2015

[TEXTO] Eu não sei que nome dar, tô sempre cheia de perguntas

Me pergunto quando foi que o ar virou fumaça, quando foi que o buque virou apenas flores mortas, que a vida virou sobreviver. Me pergunto quando foi que o céu passou de azul a ser nublado o tempo todo, quando foi que as estrelas sumiram, me pergunto quando foi que a terra ficou seca e quando foi que o coração deixou de bater.
Eu me pergunto quando foi que o cheiro virou náusea, me pergunto quando foi que o choro virou só água salgada, me pergunto onde foi parar a realidade.
Eu me pergunto quando foi que a água virou lama, quando foi que pessoas viraram apenas corpos, quando foi que o coração virou pedra e quando foi que se perdeu a razão.
Eu me pergunto quanto tempo ainda temos e se sobreviveremos para ver um final. A única resposta que tenho é que finais felizes ainda estão apenas na imaginação. Estamos caminhando em frente mas em direção à um abismo.
" Por favor, me dê algo, estou tão sedenta, estou tão sedenta... Oh, por favor, me deixe avisá-los, não venham aqui, não tragam ninguém pra cá."

(Jenifer Alana dos Santos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário